A FORÇA DA DEMOCRACIA BRASILEIRA

A sociedade brasileira demonstra seu desejo por democracia cobrindo as ruas do país com manifestações que clamam por Justiça, Obediência à Lei e à própria Democracia.

Com a ética dos apaixonados observam-se também ofensas públicas nas redes sociais, como consequência da desintermediação e empoderamento que a tecnologia moderna ofereceu à sociedade atual.

Seja a favor de um lado ou seja a favor de outro há que se reconhecer que a briga pelo Poder através da força não se vê nas ruas. O que seria típico de uma republiqueta não se vê no Brasil. O Brasil evoluiu e abriga população que valoriza a democracia.

E é pela democracia que a briga pelo Poder está nas ruas, com a pressão da vontade do povo, único originador do Poder representativo. É a força das ruas, dos vários milhões que foram mostrar aos governantes o desejo por honestidade, integridade e futuro digno, que procura mover os representantes do povo.

A tentativa de influenciar os políticos a tomarem as atitudes que o povo julga correta é legítima e, por incrível que seja, é contra o sistema político vigente, reconhecido como corruptor, perdulário, irresponsável e inconsequente.

Há muitos que perdem a esperança, mas se chegou a um determinado ponto de indignação que a esmagadora maioria da população não consegue tolerar. A única forma é mostrar que, como diz nossa Constituição, “todo poder emana do povo e em seu nome deve ser exercido”.

Como mudar o sistema se utilizando dos políticos que nesse sistema convivem e se alimentam?

São os formadores de opinião e a resposta da classe média brasileira à situação atual que força os gabinetes, do Executivo e do Legislativo, a trabalharem sem parar.

O Judiciário também tem se envolvido e, de certa medida, tem sido um mensageiro para a indignação. São tantos processos criminais envolvendo altas autoridades da República, grandes empresários e políticos de todos os níveis que as ações investigativas do Ministério Público e as decisões condenatórias são anunciadas quase que diariamente.

O Brasil está em momento de ebulição, suas estruturas estão se revolvendo, o povo ganha as ruas com vigor e paixão e busca uma nova ordem social, uma nova forma de exercício do Poder em seu verdadeiro e legítimo nome.

Essa é a força da democracia brasileira. Seguramente o Brasil sai revigorado a cada dia que um criminoso é sentenciado, mas sairá mais forte com uma reorganização política que veremos em breve.

Vamos devolver o Poder ao Povo!

SÃO PAULO NOS TRILHOS DE NOVO

A cidade de São Paulo está abandonada, a população é ofendida com piora nos sistemas de Transporte, da Saúde, da Educação.

A população virou objeto de decisões de um ideário socialista que deseja que todos sejam iguais, igualmente miseráveis.

Todos demoram horas no trânsito (mesmo os que moram perto do trabalho porque os corredores de ônibus estão por todos os lados da cidade e majoritariamente sem ônibus; porque as ciclofaixas estão em todos os cantos da cidade e com rara utilização).

As escolas públicas trazem livros com didatismo que elogia o menino vestido de menina e que faz bullying ao menino que deseja se vestir como policial ou bombeiro.

São Paulo virou uma cidade com radar a cada esquina, com velocidade reduzida, inferior à necessidade, apenas e exclusivamente para aumentar a arrecadação e multar seus residentes.

Os habitantes de São Paulo viraram inimigos do governo. A população serve apenas para pagar impostos e alimentar uma máquina inchada, improdutiva, perdulária e que adora pagar juros aos bancos.

Desde quando o PT chegou ao Poder se aliou aos banqueiros e em todos os cantos em que o PT governa o governo exauri os cofres públicos com dívidas impagáveis, alimentando o sistema financeiro com ganhos fáceis e injustos.

Está na hora de acabarmnos com a farra dos políticos em São Paulo.

Está na hora de privatizar as empresas públicas, de acabar com as máfias de transporte público, coleta de lixo, entre outras e terceirizar aos particulares todas as possíveis atividades, com redução drástica do funcionalismo público, incluindo um programa voluntário da demissão.

Espero que a população, quando das próximas eleições, possa dar resposta aos políticos brasileiros e mostrar que não aceita mais esse modelo de governo inchado e que favorece a corrupção.

Está na hora de colocar São Paulo nos trilhos de novo.

Chegou a hora do NOVO!

Vamos devolver o Poder ao Povo!

PREMIANDO A HONESTIDADE

Ninguém discute o princípio da honestidade. É unânime que ser honesto é obrigação. O pecador vai para o inferno, diz a Igreja. O que se faz de mal nesta vida é retornada ao ser humano com nova encarnação, dizem os espíritas. A punição é o instrumento aplicado contra os desonestos. Mas por que os desonestos se multiplicam?

Nossos avós diziam que se os malandros soubessem que a grande malandragem é ser honesto não haveria desonestos.

Será? A punição realmente é aplicada? Com muitos policiais e delegados corruptos? Com políticos mal intencionados povoando as máquinas públicas com nomeados sem concursos? Com a multiplicação de estatais dirigidas por indicações políticas? Com parte do Poder Judiciário corrupta? Com processos que demoram décadas para serem julgados até último recurso?

Então é hora de virar a página. É hora de fazer uma reengenharia social.

Vamos premiar os honestos?

Por que não se pensa em reverter parte das penalidades das multas de trânsito em benefício daqueles que não tomaram multas? Por que não se considera premiar o contribuinte que delata o fiscal corrupto, dando-lhe créditos fiscais? Por que não se premia o fiscal que prova a tentativa de suborno por contribuinte mal intencionado? Por que não se premia o munícipe que mantém sua moradia adequadamente? Por que não se reverte os benefícios dos planos de pensão dos juízes e promotores corruptos em benefício dos seus pares honestos?

Ser honesto é o comportamento correto. Faz parte dos princípios que todas as religiões professam. As pessoas se sentem bem agindo dessa forma. As pessoas boas gostam de fazer o bem.

Mas nossa sociedade é vilipendiada diariamente assistindo desonestos aproveitando de suas falcatruas e ridicularizando a própria sociedade, que não consegue aplicar punição justa a tempo.

Há duas formas de induzir comportamentos: um é ameaçando mediante punição e o outro é incentivando através de premiação.

A punição deve sempre continuar e seus processos devem ser aprimorados visando fazer justiça rapidamente e dando direito ao acusado de defesa. A Operação Lava-a-Jato é um exemplo a seguir. Mas a premiação independe da punição ser ineficiente. É uma obrigação social parabenizar o honesto, pois são esses exemplos que podem fazer uma mudança cultural em nosso país.

Está na hora de mudarmos a forma de governar o Brasil.

Temos que devolver a todos o orgulho de serem brasileiros.

Vamos devolver o Poder ao Povo!

DIREITO À MANIFESTAÇÃO PÚBLICA

Outro dia estava a trabalho em Nova York e presenciei uma greve na construção civil. Havia um cercado que ocupava metade da calçada e todos os manifestantes estavam dentro do cercado ostentando suas placas com suas reclamações. A cidade seguia seu rumo diário. O trânsito não era atrapalhado pela manifestação e nem sequer os transeuntes eram impedidos de caminhar pelas calçadas.

O manifestantes não precisavam e sequer poderiam atrapalhar a vida das outras pessoas, porque liberdade é um bem tão importante que se limita ao ponto no qual se pode adentrar à liberdade do outro. É o bem maior propugnado pela Constituição Norte-Americana.

E aqui no Brasil? É uma bagunça! Procura-se obter atenção da sociedade atrapalhando-a e não colocando argumentos para que a sociedade fique ao lado dos manifestantes.

Quer obter algum benefício? Exigir algum direito? Externar teu pensamento? Reúna-se em um local público, tendo a autoridade sido informada, e exerça teu direito à manifestação de pensamento e atrapalhe a vida do outro. Afinal, atrapalhando a vida do outro é que a sociedade vai ficar do teu lado, apenas para que pare de atrapalhá-la.

É assim no Brasil.

Contudo, não é assim que deveria ser.

A Constituição Federal em seu artigo 5º diz que todos podem se reunir pacificamente em locais públicos e é livre a manifestação de pensamento. Mas onde está escrito que você pode atrapalhar a vida dos outros? Parar uma avenida? Interromper uma rodovia? Desde quando uma via pública é um local público para manifestação? Um parque, uma praça ou um terreno baldio pertencente à municipalidade deveria ser entendido como local adequado para uma manifestação. Até uma meia-calçada, como vi em Nova York, desde que sem atrapalhar a vida dos outros.

Liberdade é um bem extremamente valioso. Deveria ser a virtude basilar de qualquer sociedade, principalmente daquelas que querem ser democráticas. E, como aprendemos com nossos pais, a liberdade de um termina quando começa a liberdade do outro. Isso significa respeito ao próximo!

É isso que tem sido praticado pelos governos estaduais e municipais do país? Não! PT, PSDB, PMDB, entre outros são partidos que nunca defenderam os interesses do povo trabalhador que deseja efetivamente produzir.

Direito à manifestação deve ser defendido e exercido com responsabilidade e respeito. A começar pelas autoridades públicas! Mas as autoridades tem permitido arroaças e bagunças generalizadas. Autoridades sem compromissos com o país!

Está na hora de mudarmos a forma de governar o Brasil.

Vamos devolver o Poder ao Povo!

FUNCIONALISMO PÚBLICO DEVE SERVIR AO POVO

O Estado é um ente jurídico que foi criado para dar organização à sua natureza política. É uma entidade com poder soberano para governar um povo em determinado território. Os agentes que atuam em nome do Estado, na sua administração, são servidores públicos.

A função, portanto, do servidor público, é participar da gestão estatal de forma direta.

Em uma democracia são os funcionários públicos que beneficiam a sociedade dando aos particulares as ferramentas para que executem seus planos, seus contratos, sempre constituídos sob o império da lei.

Em uma ditadura os funcionários públicos são aqueles que auxiliam o ditador a expandir sua vontade.

Na sua essência o termo funcionário público ou servidor público, como também é denominado, transmite a noção de que se trata de um agente a serviço do povo com o objetivo de servir ao povo.

Mas será que é isso que temos no Brasil?

A estrutura da administração pública, permitindo a contratação de muitos funcionários sem concursos, permite a inversão de valores. Aqueles que estudaram e se propuseram a auxiliar a sociedade com um cargo público, na maioria das vezes fica sujeito à obediência de ordens de superiores não concursados, indicados por políticos cujos objetivos, infelizmente, muitas vezes divergem dos interesses sociais.

Apenas para constatarmos a grandiosidade dessa inversão de valores utilizo-me de exemplo oferecido recentemente pelo Prof. Ives Gandra da Silva Martins. Disse ele em uma palestra aos membros do Partido Novo em São Paulo que o governo da Angela Merkel tem 600 servidores não concursados, que o governo do Barak Obama tem cerca de 4.000 funcionários não concursados e o da Dilma tem quase 131.000 profissionais públicos sem concurso.

A inversão de valores é algo que deve acabar no Brasil!

Tomando como exemplo a Alemanha, independente do partido político que assume o governo, é com os funcionários públicos, todos concursados, que se administra o país. Há burocracia profissional e que funciona. Dentre os mais qualificados é que os mandatários da nação escolhem seus assessores.

Tomando Cingapura como exemplo, a remuneração dos funcionários públicos é composta por um piso mínimo e um bônus, sendo que o bônus é calculado com base no crescimento do PIB. Se a economia do país cresce, se o país fica mais rico, deve-se também ao trabalho dos funcionários públicos que ajudaram aqueles que são os criadores de riqueza, ou seja, o setor privado.

Quando será que teremos o funcionalismo público atuando em benefício da sociedade no Brasil?

Quando o funcionalismo público for efetivamente valorizado com orientação de seu trabalho em benefício da melhoria da qualidade de vida da população e comprometidos com o desenvolvimento econômico-social, poderemos dar um grande salto ao futuro promissor.

Vamos despolitizar o funcionalismo público.

Vamos devolver o Poder ao Povo!

JUSTIÇA INDEPENDENTE

O povo brasileiro foi surpreendido com uma decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) acerca do processo de “impeachment” que está em andamento no Câmara dos Deputados. Segundo inúmeros juristas a decisão foi incorreta e parcial.

Vários ministros do STF são profissionais com íntimas ligações com o Partido dos Trabalhadores, ou seja, com o partido político da presidente Dilma, alvo de impeachment.

Portanto, a decisão surpreendente traz a sensação de dependência, de injustiça.

Então a nação coloca suas vistas não apenas para o STF, mas também para todo o Poder Judiciário.

Há os que acusam o Poder Judiciário de conviver com a corrupção como o resto do país. Há os que bradam contra os privilégios dos que nele trabalham.

Além de aposentadorias em níveis elevados, mantendo os mesmos vencimentos de quando estavam na ativa, há privilégios como carros oficiais, períodos de férias maiores que dos cidadãos comuns, sem falar em “carteiradas”, sempre frequentes pelo interior do país.

Recordo-me de um relato do Dr. Ives Gandra Martins, quando esteve com um Juiz da Suprema Corte norte-americana na companhia do então Ministro do STF Nelson Jobim. Perguntou o Ministro Nelson Jobim ao Juiz da Suprema Corte quais os seus privilégios e a resposta foi simples: “tenho uma vaga no estacionamento com meu nome”.

Por que um juiz, desembargador ou ministro de tribunal superior deve ter privilégios? Por acaso são semi-deuses? O que os diferencia do resto na nação? São cidadãos de primeira classe?

Há vários deles que são indicados por políticos. É o caso de ministro do Supremo Tribunal Federal que é indicado pelo presidente da república.

Por que não seriam indicados através de eleição dentre os membros do Poder Judiciário? O que habilita o Ministro Dias Toffoli a ser ministro do STF? Ter sido advogado do PT? Ricardo Lewandowski foi meu professor. Era assistente do Prof. Dalmo Dallari, um petista declarado de primeiro momento. Lewandowski sempre defendeu os interesses do PT. Isso o habilitou a ser indicado ministro do STF?

Como podemos admitir que a Justiça será feita se muitos de seus membros são acusados de corrupção ou de imparcialidade?

É verdade que há muitos profissionais íntegros, honestos e corretos e que seguramente permaneceriam iguais sem privilégios.

Não há sociedade civilizada sem Justiça rápida e imparcial. Por isso o símbolo da Justiça é uma senhora de olhos vendados, ou seja, não vê e não diferencia os que pelejam e trata a todos iguais.

O STF deixa claro que precisamos reformular o Poder Judiciário. É necessário que não haja privilégios. É necessário que juizes, desembargadores e ministros sejam cidadãos com os mesmos direitos de todo cidadão. E que sejam concursados e, nas instâncias superiores, eleitos por seus pares.

A Justiça tem que ser Independente.

Vamos devolver o Poder ao Povo!

PLANEJAMENTO URBANO EM SÃO PAULO

Quando iniciei minhas atividades profissionais a cidade tinha um zoneamento que respeitava o direito de propriedade. Cada proprietário poderia dispor de seu imóvel e nele poderia edificar através de um múltiplo sobre a área do terreno, dependendo de sua localização e uso.

Passadas algumas décadas e experimentos de governos de inclinação socialista, o direito de propriedade foi abalado. Hoje pode-se construir apenas uma vez a área do terreno, sendo que o direito adicional deve ser exercido apenas se houver um pagamento ao Município.

Criou-se um verdadeiro tributo sobre a edificabilidade. Avançou-se no bolso do paulistano e, pior, encareceu-se a moradia na capital de São Paulo prejudicando os mais pobres.

Não seria de esperar diferente comportamento de governos de inclinação socialista. A história mostra que os governos socialistas empobrecem as populações, fazem demagogia com o dinheiro dos outros e criam entraves para os mais pobres.

Mas o que deveria ser feito na cidade de São Paulo?

Obviamente que o problema urbano de São Paulo passa por um novo caminho ideológico respeitando o direito de propriedade e usando da capacidade empreendedora dos particulares para exercício do direito constitucional da livre iniciativa em benefício social.

O direito de edificar sobre os terrenos deveria ser revertido aos proprietários extinguindo-se esse imposto disfarçado chamado de “Outorga” e, em localidades com favelas, dever-se-ia oferecer um prêmio à iniciativa privada, dando maior edificabilidade ou capacidade construtiva, sem qualquer cobrança de nenhuma natureza, desde e quando seus projetos colaborassem para o desaparecimento das favelas, com a geração de residências nos locais atuais das favelas para os ocupantes atuais de barracos nas favelas e com o nascimento de bairros planejados com comércio e serviços completos, evitando que seus futuros usuários e moradores tivessem que se deslocar para fora do bairro procurando satisfazer suas necessidades.

Ao invés de ter o Poder Público responsável por executar planos de urbanização, sabendo-se que ele é perdulário, improdutivo e estimulador da corrupção, por que não deixar os particulares executarem planos urbanísticos com eficiência e com geração de riqueza promovendo a evolução da sociedade?

Chegou a hora de dar um basta aos que apenas desejam impedir que a sociedade gere riqueza e desenvolvimento.

O problema do planejamento urbano em São Paulo passa por uma mudança de postura ideológica, com respeito ao indivíduo, opção de extinção das favelas e geração de moradia decente para os paulistanos mais carentes, além de contribuir para acabar com o crime organizado nas favelas.

Os demagogos são os culpados por “urbanizar favelas” perpetuando-as e mantendo-as apenas para conseguir votos.

As favelas devem ser substituídas por bairros planejados e com moradia decente permitindo que os brasileiros de todas as classes sociais convivam harmoniosamente.

É hora de acabar com a demagogia. É hora de mudar São Paulo.

Vamos devolver o Poder ao Povo!

ESTADO DE DIREITO

O absolutismo era a forma de governo no qual a vontade do governante era impositiva. Durante a maior parte da história da humanidade a tirania era o modelo mais utilizado pelas sociedades que, via de regra, adoravam seus “reis” como representação divina na terra.

Em 1215 João Sem Terra, rei da Inglaterra, através da Carta Magna, elevou todos os súditos ao nível de iguais declarando que ninguém poderia ser preso sem o processo legal e o governante deveria agir segundo a lei.

As democracias foram além e criaram o Estado de Direito.

Ninguém está acima da lei. Os governos exercem autoridade por meio da lei e estão subordinados às punições pela lei impostas.

Na democracia a lei exprime a vontade do povo e são criadas por seus representantes. Ou seja, o povo obedece as leis que ele mesmo cria.

Não há vontade de um tirano que ordena qualquer comportamento ao povo. Apenas a lei é criadora de direitos e obrigações, sendo que todos são iguais perante a lei.

No Estado de Direito o Poder Judiciário é independente e tem a força necessária para impor o poder de polícia do Estado, ou seja, é capaz de ordenar e impor a ordenação da lei.

Ainda que o Brasil tenha saído de um regime ditatorial militar e seu povo tenha conquistado de volta seu direito de cidadão com a promulgação de uma nova Constituição redigida por seus representantes e ainda que a Constituição de 1988 expresse o desejo represado da sociedade durante o governo militar, é de se reconhecer que o Brasil conquistou um Estado de Direito.

As instituições estão sólidas e, se exercidas por homens de bem, como dizia Chico Xavier, o Brasil será uma grande nação.

A Operação Lava-a-Jato, as prisões de corruptores e corruptos, a limpeza que o Estado brasileiro precisa, apenas se faz possível porque o Brasil conquistou seu Estado de Direito e porque há homens de bem.

Não obstante estarmos no momento adequado para que a Constituição Federal seja revisada, não obstante haver um imenso espírito corrupto danoso incrustrado na sociedade brasileira, o Brasil tem expectativa de futuro porque a sociedade deseja um país decente, um país Ficha Limpa e temos homens de bem.

Vamos devolver o Poder ao Povo!

TERRORISMO NO BRASIL

Enquanto o mundo fica traumatizado com os atos terroristas ocorridos em Paris na sexta-feira 13 de 2015, enquanto reflexões ocorrem em todos os meios de comunicação do planeta sobre como deter os seres humanos que querem impor seu pensamento à força, nós aqui no Brasil convivemos com o terror rotineiramente.

As estatísticas apontam para cerca de 150 mortes diárias por atos de violência. Sentimos na pele, andando na rua, a sensação de ausência de proteção. E quando reclamamos vemos os governantes se aliarem aos meliantes por conta de seus votos, oriundos de comunidades controladas.

Terrorismo pode ser definido pelo emprego sistemático de violência para fins políticos com práticas de atentados e destruições para desorganizar a sociedade e tomar o Poder.

O grupo político que se estabeleceu no Poder no Brasil desde 2002 é composto por ex-terroristas. José Dirceu foi treinado em Cuba, desfigurou-se, trocou de identidade. José Genoino pegou em armas e participou da Guerrilha do Araguaia. Dilma Roussef, como vários outros membros do PT, pertencia ao grupo do Araguaia.

Terrorista é aquele que não obedece as leis. Utiliza-se da violência para impor sua vontade.

O que poderíamos esperar do grupo político que está no Poder, se nunca obedeceram as leis e buscavam impor suas vontades pela violência? Óbvio que violentam a sociedade com a destruição de seus valores e de seus bens.

Enquanto um cidadão de bem demora anos para conseguir licença de construção de um empreendimento, grupos organizados, por vezes com patrocínio indireto de verba federal, ocupa terras alheias e as usa da forma que desejam, usualmente, sem contestação das autoridades. Protestar contra o governo fechando estradas gera mudança da lei para haver punições caras e imediatas. Mas quando não estavam no Poder seus protestos fechando avenidas e queimando pneus nas estradas podia…

Petrobrás, Eletrobrás e Correios são alguns exemplos de empresas monopolistas que apresentaram casos de corrupção extremos ou resultados negativos impressionantes. Como uma empresa com monopólio pode ter prejuízo se não não há sequer competição para lhe retirar clientes ou baixar seus preços?

Viver no Brasil tornou-se convívio com o terror.

O exemplo deve vir de cima.

Vamos devolver o Poder ao Povo!

HADDAD: A LUZ SE APAGA

Há percepção generalizada de que a cidade de São Paulo está sem governo eficiente. As decisões do Prefeito são contestadas e suas prioridades estão em desacordo com os interesses dos paulistanos.

Mas não é culpa exclusiva do Haddad. Primeiro veio o Lula e, sem ampliar a infra-estrutura, jogou mais carros que as ruas tinham capacidade de receber. Depois veio o Haddad e diminuiu as ruas com a criação descontrolada de ciclovias. Cada dia há menos espaços para se trafegar em São Paulo.

O sistema de transporte público não teve nenhuma modificação. Continua a mesma estrutura ruim e pouco inclusiva.

É lamentável.

Esse é um pequeno exemplo da má gestão do Haddad, que reflete sua visão antiquada e míope das necessidades da população. Mas maiores males estão por vir, caso não seja possível impedí-lo de praticar atos contrários ao interesse público.

Refiro-me à PPP de iluminação de São Paulo.

A licitação de R$ 7 bilhões pretende entregar à iniciativa privada a missão de trocar as lâmpadas que iluminam a cidade. Serão 620 mil lâmpadas de LED a serem trocadas além de criar mais 76 mil novos pontos de luz. As lâmpadas de LED são mais eficientes e mais sustentáveis. O vencedor da licitação passa a receber da Prefeitura mediante repasse da Cosip, taxa cobrada na conta de luz.

Em princípio seria uma boa ação, não fosse totalmente ultrapassada e não fosse uma típica licitação que atrai empresas de duvidoso comportamento ético.

Os países desenvolvidos hoje usam postes de luz com placas de energia solar e bateria. Não apenas reduzem o custo da energia como praticamente faz com que nada custe. Sem falar que eliminam um amontoado de fios cruzando os céus da cidade.

Vamos deixar a iniciativa privada resolver esse problema?

Por que não permitir à população que troque uma parte de seu IPTU por ações de uma empresa que se responsabilize por trocar todos os postes de luz na cidade para que tenhamos postes sustentáveis? Por que as empresas privadas não podem disputar o capital privado dos moradores de São Paulo em troca desse benefício? Por que não resolver esse problema sem usar recursos do tesouro municipal e aproveitar a eliminar a Cosip?

Quanto será a redução de despesas com a conta de luz da Prefeitura? Sem falar nos benefícios para o meio ambiente? Por que não permitir propaganda nesses postes a ponto de termos patronos desses postes? Propaganda organizada…

Além disso, a legislção brasileira permite que o excesso de energia possa ser vendida no sistema, um atrativo adicional.

O Haddad agora quer escravizar o povo a permanecer no passado da tecnologia… Mas em 2016 o povo vai retribuir sua dedicação: apagar sua luz.