SINDICATO, PARA QUEM?

Durante a greve dos bancos eu precisava de recursos que excediam o limite dos caixas automáticos. Então fui à uma agência, das poucas, que estava aberta. Não tinha fila e fui rapidamente atendido. A caixa foi tremendamente simpática e perguntei se ela era a favor da greve. Ela respondeu que a greve não era dela, era do sindicato.

Como assim? perguntei.

De forma simples ela explicou que a greve servia para os bancos medirem o quanto as agências e o trabalho das pessoas era necessário. Se a greve não afetasse o atendimento e os negócios então essa era a resposta para os banqueiros. Poderiam fechar agências e demitir funcionários.

Para ela a greve era um teste que privilegiava os banqueiros. Que o sindicato era um instrumento dos banqueiros. Que o sindicato não representava os interesses dela.

É nesse momento que devemos parar para pensar sobre o nosso sistema sindical.

Os sindicatos são sustentados por contribuições obrigatórias. A remuneração de um dia do ano do profissional é devida ao sindicato, por determinação legal. Todos pagam. Os sindicatos apenas recolhem o dinheiro. Não precisam se esforçar para agradar os sindicalizados, os associados. Os dirigentes sindicais apenas precisam fazer política para se manterem em seus cargos.

Será que se a filiação ao sindicato não fosse obrigatória os profissionais fariam essa contribuição? A caixa que conheci, creio que não. E os outros bancários? O bom senso me diz também que não.

Se a contribuição sindical fosse voluntária, seguramente, os sindicatos seriam obrigados a prestar serviços aos associados e esses serviços deveriam ser reconhecidos para estimular a afiliação aos sindicatos.

Liberdade! Simples. Permitindo que os profissionais escolham seus caminhos as relações viram voluntárias. Obrigar para que? Quem se privilegia na relação obrigatória de pagamento de contribuição sindical?

Está na hora de mudar a política sindical. Está na hora de darmos liberdade aos profissionais para escolherem seus caminhos de representação.

Vamos devolver o Poder ao Povo!

3 ideias sobre “SINDICATO, PARA QUEM?

  1. Zé parabéns pelo post ,éuma vergonha a a obrigatoriedade da contribuição sindical .Recentemente um sindicato ganhou na justiça o direito de recolher a contribuição sindical dos funcionários de uma autarquia o DAEE. Absurdo , não temos data base , nossa relação salarial é regida diretamente com a arrecadação e lei de responsabilidade fiscal . Os caras querem mamar nesta nova teta e não podemos fazer nada . Se você tiver a oportunidade de articular um projeto onde o trabalhador tenha o direito a liberdade de escolha terá o apoio de muita gente . Um abraço
    Blas

    • Existe um projeto de lei em tramitação no Congresso Nacional para transformar a contribuição sindical em ato voluntário. Se isso passar, muita coisa vai mudar no país. Obrigado. Abs

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *